quarta-feira, 17 de julho de 2013

Numa manhã de maio..


Finalmente tomei-a nos meus braços. Senti o seu abraço apertado a envolver-me o pescoço. A sua face de encontro à minha. Por ser mais baixa do que eu, os seus pés pairavam a dez centimetros do chão. Também eu a abracei de forma igualmente intensa. Há muito que esperávamos por este abraço. Os seus pés assentaram no chão e, por isso, ergueu a cabeça para me olhar nos olhos. Sorriu e fechou os olhos enquanto os meus lábios se aproximavam dos dela. Foi o libertar de um beijo que esteve preso demasiado tempo. 

Seguimos pelo caminho ladeado por frondosas árvores que projetavam a sua sombra até chegar ao outro lado da estrada de areia. A conversa fluiu de forma natural e sem constrangimentos. Sonhos, desejos, medos, passado, presente e futuro marcaram o ritmo da conversa. Seguíamos a um passo lento, tão lento que nem os pássaros se assustavam com a nossa passagem. As palavras que nos saíam da boca eram quase murmúrios, como se tivéssemos medo que nos pudessem roubá-las. 

Tínhamo-nos conhecido por um acaso qualquer através da internet, no facebook, depois de, numa foto de um amigo comum, termos trocado uns comentários. Tinha sido ela a tomar a iniciativa de começar uma conversa em privado e, desde então, nunca mais parámos. Passou-se um ano até que, finalmente, decidimos encontrarmo-nos pessoalmente. Viria ela ter comigo a Lisboa. Aproveitaríamos para passear e conhecer a cidade. O sol começou a desaparecer e a lua que já há muito tempo que se via no céu, brilhou pela primeira vez durante aquele crepúsculo. Perguntei-lhe se tinha fome, disse-me que não e seguimos viagem até minha casa, agora a um passo mais acelerado. 

Chegados lá, voltei a tomá-la nos meus braços, de forma mais intensa e efusiva. Beijei-a apaixonada e calorosamente. Ela respondeu a todo este ímpeto, sussurrando o meu nome ao meu ouvido. Entre abraços e beijos, levei-a até ao meu quarto. Entre caricias e suspiros, as roupas ficaram espalhadas pelo chão. Entre desejo e entrega, fizemos amor. Depois adormecemos, a sua cabeça no meu ombro e a sua mão no meu peito.

O sol que entrava pelos estores semicerrados acordou-me. Olhei para o lado e encontrei uma cama vazia, uma almofada desocupada. Saí da cama e no chão do quarto não havia roupa espalhada. Entrei na sala e fui recebido apenas pelo Faisca, o meu gato. Preparei uma chávena de café e coloquei-lhe um pouco de açúcar. Abri as janelas da varanda e apoiei-me nas grades, apreciando a bela vista que tinha sobre o rio Tejo e aquela ponte de metal vermelho. Dei um gole no café, inspirei fundo e exalei, pela boca, uma nuvem de vapor quente que contrastava com o frio que se fazia sentir naquela manhã de maio. Olhei para o sol, fechei os olhos e pensei que um dia aquele sonho seria uma realidade.


23 comentários:

  1. Esperemos que sim :)

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito ;) romântico ;)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Estou a ver que anda inspirado, o senhor Mustache. Agora é só fazeres com que a coisa passe do sonho à vida real. Coisita simples... ;p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ando com umas ideias, ando. :)
      É do calor..
      Às vezes, ficarmo-nos só pelo sonho já não é nada mau ;)

      Eliminar
  4. As saudades que eu tinha dos teus contos romântico-eróticos!! :) Mais a sério, tinha mesmo. Podias pensar, seriamente, em compilar alguns. Vai por mim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este teve pouco de erótico, mas acho que foi romântico. Quem sabe num próximo conto..

      Obrigado, mas a qualidade ainda é fraca. Tenho que melhorar muita coisa ainda. :)

      Eliminar
  5. aiiiiiiiii(suspiro)
    não posso vir aqui muitas vezes, ainda corro o risco de me apaixonar :))
    (belo texto Mustache)

    *beijo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E há coisa melhor do que uma pessoa estar apaixonada? ;)

      (obrigado!)
      ***

      Eliminar
  6. Um sonho assim devia tornar-se realidade :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas sonhar é bom, e em alguns casos, a realidade pode destruir o sonho como ele era..

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Um dia.. :)

      (a ver se tenho tempo para os teus finais!!)

      Eliminar
  8. nao me entendas mal.. eu gosto destes teus textos mas... andas mt romantico.. k é feito do Musta que conheci há uns tempos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amanhã explico. Mas desde que gostes do que lês, fico contente! :D

      O Musta que conheces-te continua aqui. :)

      Eliminar
  9. Gostei do texto romântico.
    Há sonhos que merecem quem lhe demos continuação, real ou ficção não interessa.
    Um dos meus mais belos textos, tem por base um sonho que tive. E faz parte de uma colectânea já publicada.
    Vamos ter um texto romântico todos os meses??!! eheh
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.
      Sim, há sonhos em que temos que os continuar, seja no mundo real ou no mundo da fantasia.

      E onde posso ler esse texto?

      Teremos um texto romântico sempre que eles me surgirem na mente. :)

      Beijinho

      Eliminar
  10. *suspiros* estes episódios com teor de romantismo elevado dão cabo de mim. No bom sentido claro! Por vezes apanho-me a sonhar acordada com episódios deste género, e é tão bom... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho que sim!
      Sonharmos com o que gostamos, com o que idealivamos, com o que queremos que um dia aconteça. Faz-nos bem ao corpo e à mente! :)
      E, a sonhar, podemos fazer tudo! ;)

      Eliminar
    2. Tudinho, sem limites. É das melhores vantagens de sonhar, sem duvida... ;)

      Eliminar
  11. Já aqui não parava há algum tempo e pensei por instantes que me tinha enganado na porta :p

    Muito bem muito bem, bonito sim senhor! Estou a falar a sério ^.^ Essa inspiração e essa criatividade têm para onde crescer!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. haha não, não te enganaste na porta. É mesmo a casa do Mustache :)
      Só que agora está numa fase um pouco diferente. Eu sou como as estações do ano, vou variando ao longo do tempo.. :)

      Muito obrigado. Sim, estou a tentar que cresça ainda mais com estes pequenos contos. :)

      Eliminar

Não é por nada, nem quero influenciar ninguém, mas diz que quem comentar neste blog, é uma pessoa espetacularmente espetacular!