quarta-feira, 30 de outubro de 2013

I like your look. What's your name?

Acho que ainda não vos falei sobre o meu fim de semana passado e sobre as coisas boas que se passaram durante a noite de sábado. Ok, não é nada interessante no sentido em que não vos traz felicidade direta, mas acredito piamente que ficam felizes se eu estiver feliz.

Pois que foi a festa de aniversário de uma amiga minha, que insiste em fazer aniversário todos os anos. Desconfio que é só desculpa para a festa. Fomos então jantar ao sitio de sempre, com a ementa de sempre, no horário de sempre, mas com pessoas que não as de sempre. A primeira pergunta que lhe fiz foi acerca das gajas que iam e dos seus estados civis. Diz que iam 10 gajas, sendo que 7 eram comprometidas, e das 3 solteiras, ela era uma delas. Sobravam assim duas! Sendo que ia com dois amigos, também eles solteiros, descomprometidos e ávidos de sexo casual amor eterno, éramos 3 cães para dois nacos de carne ossos. Quando lá chegámos e vimos o gado disponível as meninas disponíveis, rapidamente me descartei e abri vaga para os interessados. Foi-se a ver, e nenhum de nós as quis. Ao que parece, todos temos padrõezinhos muito elevados e exigentes. Demais até, tendo em conta os bichos feios que somos. Mas se até o "Gonorreias" se safa, nós também iriamos conseguir, mesmo que com outras.

Assim, sentámo-nos a uma ponta da mesa, a comer, a beber, a rir, a falar de teorias de gajas que gostam de sexo anal só porque têm tatuagens, de listas que temos para excluir as gajas de possíveis relações, gajas com quem nunca teríamos sexo mesmo que nos pagassem, e quando demos pelo tempo, já era quase 1h da manhã. A malta pagou (no meu tempo, se eu convidasse pessoas para as minhas festas de aniversário, ninguém pagava nada - eram em minha casa e a minha mãe fazia uns rissóis e uns croquetes, umas tortas e uns Capri-sonne e estava o assunto arrumado-, ou se fosse noutro sitio, pelo menos pagava as bebidas à malta) e seguimos viagem até àquele inferno de 90m2, a que a malta chama carinhosamente de Cais do Sodré.
Escusado será dizer que ao fim de 5minutos o grupo estava todo separado sem ninguém saber de ninguém. Ok, estava eu e os meus amigos, que ficámos a olhar para uns rabos, o resto da malta estava toda junta. Assim, entrámos num bar onde eu sabia que estavam outros amigos e, por acaso, estava também lá o grupo do jantar.

Depois o costume, toda a gente a meter-se comigo por causa da minha barba. Até um gajo com dois metros me quis mexer nela (na barba), enterrando lá o dedo (na barba) e depois fazendo um sinal de aprovação (à barba). Pensei que fosse mais uma daquelas noites em que tenho que aturar os bêbados e que as gajas olham para mim mas sem se meterem comigo. Mas eis que ela aparece (loira, vestido e casaco de malha fina por cima dos ombros),  no meio de um grupo a tentar atravessar o bar de uma ponta à outra, e os nossos olhares se cruzaram e as nossas bocas esboçaram um sorriso. A partir daí foi o normal, aquela constante troca de olhares e sorrisos, até que ela decide vir para perto de mim. Ao chegar, e sem perder muito tempo, disse-me "I like your look. What's your name?". Boa, pensei eu, hoje vai ser uma internacional. Conversa puxa conversa e já nada em redor interessava. Ao fim de 40mins e de algumas palavras faladas ao ouvido, damos o primeiro beijo. Ela pergunta-me se vivo por perto, digo que não, mas que tenho o carro pela zona. Saímos e fotos até à caravan of love. Entre beijos e mãos atrevidas, eu já ia a andar curvado para não se notar muito o volume nas calças ali na zona da braguilha.

A vida tem sido madrasta para mim ultimamente (no que diz respeito às relações com as gajas) e, apesar de ter decidido que já não queria nada com elas, a verdade é que antes de sair de casa, ainda guardo um preservativo no carro, não vá "dar-se o caso de algo bom acontecer". Pois que ainda bem que tive essa ideia no sábado passado, senão tinha ficado, literalmente, agarrado ao pau. Assim, e mesmo a pensar que já lhe andava a perder o jeito, ainda consegui proporcionar àquela jovem, os melhores 30 segundos que ela teve naquela noite! Sei isso pela rapidez com que ela saiu do carro, certamente para ir contar às amigas o momento mágico que viveu.


21 comentários:

  1. Ah! então foi por isso que desapareceste durante 3min... Pensei que tinhas só ido fazer um xixi...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E fui. quando voltei do carro deu-me a vontade e ainda fiz..

      Eliminar
  2. 30 segundos?????
    bahhhhhhhh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas 30 segundos não é bom?
      Foi mais do que o normal...

      Eliminar
  3. Foi só a velocidade a que saiu do carro que te leva a acreditar que foram os melhores 30 segundos daquela noite...? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oooh o ter estado comigo também contribui para essa felicidade, mas aqueles 30 segundos devem-na ter deixado mesmo eufórica que só queria contar às amigas..

      Eliminar
  4. :) não percebi a conversa das tatuagens e o sexo anal :) . Os preservativos dentro do carro estragam-se :)) e não me acredito que foram 30 seg :)))

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segundo uma teoria (por nós construida), uma gaja que use tatuagem é também uma gaja que gosta de sexo anal. :)

      Só os deixo no carro quando vou sair à noite, não ficam lá esquecidos durante dias, semanas, meses... :(

      Por acaso, foram 32segundos! :D


      Beijinho, Vicio! **

      Eliminar
    2. Eu tenho uma tramp stamp, logo gosto de anal? Ora, não vou dizer, né? Raio de pre-conceito.

      Eliminar
    3. Podes ao menos dizer se é tribal ou outra coisa qualquer? :)
      Aquilo foi uma teoria elaborada por 2 gajos que já tinham bebido sangria a mais... ainda está em fase de construção teórica. :)

      Eliminar
    4. É outra coisa qualquer, vermelha e preta.

      Ou seja, precisam de experimantar para fundamentar...
      Acho bem. :)

      Eliminar
    5. Diz-me só, por favor, que não é o símbolo daquele clube da águia! :D

      Sim, carecemos de factos empíricos. Temos que levar o estudo às entidades competentes e pedir se podemos iniciar o estudo prático. :)

      Eliminar
    6. Claro que não LOL...posso ser parola, mas não tanto.
      É uma borboleta, com cerca de 20 cms de largura.

      Eliminar
    7. Floribela? hahaha
      Parece-me nice.
      Eu também quero fazer uma tatuagem, mas agora tenho medo que pensem de mim o mesmo que defendo na teoria, e isso pode criar mal entendidos.. :)

      Eliminar
    8. Penso que a Floribela surgiu depois de eu ter feito esta, em 2003. Verifica, sim? :)

      Queres fazer uma tramp stamp e receias que pensem que gostes de anal? E qual é o problema de gostares de tal? Ai, ai...

      Eliminar
    9. Como co-fundador da teoria aqui apresentada, diria que o Mustache expôs o assunto de forma um pouco redutora. Diria mais que as raparigas que têm tatuagens são, vá lá, mais atrevidas, fogosas...

      Eliminar
    10. calma, eu já era atrevida (e fogosa, acho eu) antes de fazer o servicinho. :)

      Eliminar
    11. Pseudo, pouco importa se foi a fogosidade ou a tatuagem que surgiu primeiro. Isto é tipo o ovo e a galinha :P

      Eliminar
  5. Essa coisa das tatuagens e dos exo anal, carece de provas científicas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carece é de provas empíricas! :D

      Eliminar
    2. Anónimo00:53:00

      Expliquem-me qual é o fascínio sobre sexo anal? Quando penso nisso só me ocorre a imagem de alguém a levar um clister...

      Eliminar

Não é por nada, nem quero influenciar ninguém, mas diz que quem comentar neste blog, é uma pessoa espetacularmente espetacular!