terça-feira, 20 de agosto de 2013

Carta à mulher que já amei..

"Já te amei, sabes disso, não sabes? Aliás, quase toda a gente sabe disso. Já te amei muito. Isto só tu o deves saber. Agora o quanto eu te amei, isso só eu sei. Amei-te tanto que mesmo depois de deixar de te amar, continuo a amar-te. É estranho não é? Amarmos quem já não amamos. Mas tu sabes que ainda te amo. Sabes que não é o mesmo amor com que te amei, mas o amor que fica depois do amor. Eu sei que sabes disso e tu também sabes que o sei. Tive um amor tão grande por ti que me fez querer ser melhor, ser mais homem, ser maior, ser mais do que aquilo que já alguma vez fui. Por ti, fiz coisas por mim. Coisas que eu sabia que aumentariam o amor, o nosso amor. Sim, nós amámo-nos um ao outro. Sei que também me amaste, que também sofreste por mim, que tiveste saudades, que vibraste com as minhas palavras, com o meu cheiro, com o meu toque, com o meu corpo, com os nossos corpos. Amámo-nos tanto que quando deixámos de nos amar, o amor ficou. Acredito que o que sintas por mim ainda seja amor. Um amor diferente, tal como o meu por ti, mas amor. Diferente mas quase igual. Se introduzíssemos de novo o sexo neste amor e teríamos o amor de antigamente. Continua a haver carinho, afeto, ajuda, vontade da companhia, gargalhadas, confissões, conselhos, apoio. Só não há sexo. E eu gosto assim. Gosto que assim seja, gosto que consigamos ser estas duas pessoas que se amaram e que hoje, depois do amor ter terminado, se continuam a amar.
Não sei se sabes, mas tu foste o motivo de outra pessoa não ter resultado comigo. Não por mim, não que eu a tenha rejeitado com a esperança que nós ainda fossemos voltar a ser o que fomos. Não. Foi a outra pessoa que não aceitou que estivesses presente na minha vida desta forma. Achou que não era normal aquilo que temos, achou que não devia sequer falar contigo, ignorar-te, remeter-te para um plano que não sou capaz nem te quero remeter. E ela foi-se embora, saiu da minha vida, não me quis assim e não me marcou. Talvez tenha sido melhor assim. Teria sido muito difícil para mim escolher entre um novo amor e um amor que perdurará para sempre. Um amor diferente, mas um amor, já te o disse, não já?
Hoje, vejo-te nos braços de outra pessoa. Vejo-te a suspirar por outro coração, a quereres beijar outros lábios, a quereres entregar o teu corpo a outro corpo. Vejo tudo isto e fico feliz por ti. Genuinamente. Sem tristeza ou mágoa, acredita. Mas sabes o que também vejo? Vejo-te a quereres ser forçosamente feliz com alguém que não te merece, com alguém que já te magoou, com alguém que eu sei que te vai magoar de novo. E isso sim, deixa-me triste. Porque tu mereces mais, mereces melhor, mereces ser feliz sem que para isso tenhas que lutar contra o teu intimo, contra tudo e contra todos, contra princípios que antes tinhas e que agora te vejo a esquecê-los numa tentativa quase inglória de seres feliz. Coisas que me disseste que nunca farias, hoje vejo-te a fazê-las sem pensares duas vezes. vejo-te a cometeres loucuras por alguém que não fará um décimo daquilo que tu serás capaz de fazer por ele. Tu consegues ser feliz de forma mais leve, sabes disso. Sabes a pessoa maravilhosa e interessante que és, sabes que terás sempre alguém disposto a fazer de ti uma mulher feliz, verdadeiramente feliz, que não te faça chorar, que não te faça sofrer, que te saiba amar e que te deixe o dia inteiro com um sorriso tonto na face. Sabes que vejo mais esse teu sorriso quando estás com outras pessoas do que quando estás com ele? Sabes que me pareces mais feliz, sempre que não estás com ele? Se não acreditas em mim, pergunta aos outros, aos que pensam como eu, aos que sofrem por te verem sofrer. Pessoas que como eu, te amam de verdade. Um amor diferente, já te o disse, mas todos sentimos por ti amor.
Sabes que estarei sempre aqui para ti, sabes que nunca te abandonarei, que terás sempre o meu ombro para chorares e o meu colo para repousares. Terás sempre as minhas mãos para te ajudar a levantar e os meus braços para te amparar as quedas. Não posso evitar que caias, mas posso, de alguma forma, tentar que a queda não seja tão violenta. Terás sempre as minhas palavras para te aconselhar, terás sempre os meus ouvidos para te ouvir. Mais uma vez, não posso evitar que batas, ou que queiras bater, com a cabeça na parede, mas posso, de alguma forma, tentar pôr uma pequena, minúscula almofada, mais fina que uma folha de papel, entre o teu osso e o tijolo.
Sabes que por muito que diga que já não quero saber, que já não te digo mais nada, que te vou deixar cair desamparada e depois dizer "eu bem te avisei", isto não é verdade. Quero sempre saber de ti, da tua integridade fisica, da tua integridade emocional, da tua integridade psicológica. Odeio, mais do que tudo, ver-te chorar. Ver-te chorar de tristeza, ver-te chorar porque agora amas quem não te ama de forma igual à tua, ver-te chorar porque, lá no fundo, sabes que estás a forçar ao máximo esta tua tentativa de ser feliz. Mas descansa, que eu vou estar sempre contigo, venha quem vier, entre quem entrar na minha vida, saia quem sair da tua. Sabes porquê? Porque ainda te amo, um amor diferente, já te o disse, mas ainda te amo.

Um beijinho, deste teu para sempre,
E."

30 comentários:

  1. Eu nem acredito que deixei de trabalhar para ler um texto lamechas destes... se eu precisar de tratamento psiquiátrico a culpa é vossa. Mas o que se passa na blogosfera, anda tudo com o cio pahh.
    :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem lamechas nem com o cio.. ;)
      Mas diz lá que não te soube bem a pausa no trabalho, mesmo que para ler isto?! :D

      Eliminar
  2. Lindo. O texto, note-se.

    ResponderEliminar
  3. Não ficas aborrecido comigo por te dizer que é um pouco lamechas :) contudo percebo o que dizes, quando amamos alguém o cuidar do outro persiste no tempo :)

    Beijoca grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E qual é a carta que fale de amor que não tenha o seu quê de lamechiche? ;) (não fico nada aborrecido)

      É mesmo esse o amor que ficou, o cuidar do outro como se fosse um bocadinho de nós. :)

      Eliminar
    2. Eu tenho uma forma muito própria de ver as coisas, acho quem amamos deve permanecer connosco, acho por tudo que se viveu, partindo do principio que terminou, devemos fazer um esforço e tentar conservar a pessoa perto de nós :)

      Não era o poeta que dizia que todas as cartas de amor eram ridículas :)

      Beijoca

      Ainda não vi os filmes :)

      Eliminar
    3. Mas nem sempre é possivel conseguir manter a pessoa perto. Podes ter amado muito uma pessoa que acabou por te destruir completamente, e queres tudo menos proximidade.

      E são, cartas de amor são ridiculas... mas não é o amor a coisa mais ridicula de todas? ;)

      Eu já vi os que me recomendaste! :p

      beijinho

      Eliminar
  4. Correcções:
    "Foi a outra pessoa que não aceitou que tivesses presente na minha vida desta forma." - troca novamente tivesses por EStivesses.

    ("Um amor diferente, mas um amor, já te o disse, não já?" e "Um amor diferente, já te o disse, mas todos sentimos por ti amor." - não seria melhor trocar o 'te o' por 'to'?)


    E claro... ADOREI! [não percebo o porquê das queixas pro ser lamechas -.-]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mesmo opção escrever "te o".. :) parece-me que fica melhor. :)

      Quanto ao erro habitual, tem mesmo a ver com a forma como falo, tenho que tomar mais atenção. E desta vez vou alterar porque quero que esteja mesmo mesmo bonito o texto. :)

      e claro, Obrigado! :D

      Eliminar
    2. Sim, toma mais atenção a esse erro comum. É que a falar é comum e não passa disso, mas a escrever já não cai tão bem :)

      Eliminar
    3. Ok, não batas mais no ceguinho.. :p
      Vou ter isso em atenção.. :)

      Eliminar
    4. credo........menos.........
      um texto tão emocional tão do coração, o que é que interessa se tem uma palavra 'menos bem'

      Eliminar
    5. StarStruck, se não tivesse mal nenhum a palavra estava exactamente como a encontrei, e o autor FEZ QUESTÃO de a alterar.

      Mustachinho, estás perdoado *.*

      Eliminar
    6. Olá Star, obrigado por teres gostado do texto e pela defesa, mas de facto, aquele é um erro que cometo vezes demais e tenho mesmo que o conseguir ultrapassar. :)

      até poderia manter a palavra "tivesse" se a frase fosse "Foi a outra pessoa que não aceitou que te tivesse presente na minha vida desta forma.", certo menina Lia? :p

      E pronto, eu elegi a Lia como minha corretora pessoal, embora ela não concorde com o novo acordo ortográfico, mas vamos fazer o quê? :)

      Mas sim Star, foi um texto mesmo lá do fundinho do coração.. :)

      Eliminar
    7. Certissimo, menino Mustache.

      E já reparaste que eu não corrijo o teu acordo. Posso não usá-lo, mas se tu o usas, não é um erro, é apenas e só a tua maneira de escrever. Só o corrijo o que, com ou sem acordo, está errado :p (mas também só o faço enquanto mo permitirem)

      Eliminar
    8. Eu também não concordo com o novo acordo ortográfico. Por uma questão de honra, a lingua é nossa, tem a nossa história, as nossas raízes NÓS é que deveriamos decidir como a escrever correctamente.

      Mas pronto.....

      Eliminar
  5. muito, msm muito bom texto
    bjs*

    http://se-tu-saltas-eu-salto.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acima de tudo, é sentido e verdadeiro.. :)

      bjs :)

      Eliminar
  6. Esta carta podia ter sido escrita por mim há uns aninhos (e ainda escrevi umas coisinhas). O tempo passou, a vida mudou e hoje já não faria sentido. Mas em tempos idos (e digo-o agora: felizmente idos) isso fazia muito sentido para mim :)

    Ah, é também por tudo que está descrito no texto, que defendo que se tentem preservar a amizade no fim da relação. Nem sempre dá, é certo. Nem sempre é imediato, é certo. Mas é algo que defendo, quando assim é possível

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma vez que ficou a amizade, isto fará sempre sentido! :)

      Nem sempre é possível manter amizade ou contacto. Depende muito de como tudo termina. às vezes, por mais que o tempo passe, é impossível sequer as pessoas voltarem a falar.

      Eliminar
    2. Pois, no caso que falei não ficou a amizade. Tentou-se, mas foi impossível, havia demasiadas mágoas de parte a parte. Mas hoje, uns aninhos depois, vejo claramente que foi melhor assim...

      Eliminar
  7. ora aí está uma coisa que evito... conservar os ex nas minhas amizades... fazem parte do meu passado, nao me sinto bem com eles no meu presente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depende muito de caso para caso. Acho que as pessoas do nosso passado não têm que sair forçosamente da nossa vida, até porque, de alguma forma, nos ajudaram a ser a pessoa que somos hoje. :)

      Eliminar
  8. Ta bonito sim senhor e remete.me para algo assim que ja me escreveram. Nao tao poetico nem com tanto amor...enviaste.a? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou entender isso como um "gostei do que li". :)
      Não precisei enviar, ela leu mesmo por aqui.. ;)

      Gostava, de facto, de voltar a escrever cartas, fosse para quem fosse, mas não tenho ninguém com quem o fazer.. :(

      Eliminar
  9. Lindo! Tanto o texto como o sentimento que vos une!!! Deve ser mais fácil para ela enfrentar tudo e todos sabendo que pode sempre contar com o teu apoio!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.
      É mais fácil para mim e para ela. Ajuda-mo-nos em tudo o que pudermos. :)

      Eliminar

Não é por nada, nem quero influenciar ninguém, mas diz que quem comentar neste blog, é uma pessoa espetacularmente espetacular!